(66)35662702

NO AR

Querencia Amada

Com Carlos Pedroso

Juina

Estudo da UFMT projeta pico da Covid em setembro e 300 mil infectados no Estado

Publicada em 08/06/20 as 10:42h por Amanda Divina - 19 visualizações


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Reprodução)

Um estudo realizado pelo departamentos de matemática, saúde coletiva e geografia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), aponta que o pico do coronavírus em Mato Grosso deve acontecer no dia 3 de setembro, quando terá registrado 307.852 casos. Em 20 de março, foi confirmado o primeiro caso de COVID-19 em Mato Grosso e até o dia 30 de maio, primeiros 72 dias, foram notificados 2.373 casos em residentes no estado, sendo distribuídos em 91 municípios e em todas as regiões.

Conforme a projeção, as maiores taxas de incidência foram observadas  nas regiões Baixada Cuiabana, Araguaia Xingu e Sul Matogrossense. "No caso de manutenção das medidas de controle, Mato Grosso atingirá o número máximo de infectados pelo novo coronavírus até dia 03 de setembro, quando terá registrado 307.852 casos, após 163 dias da confirmação do seu primeiro caso", diz o levantamento.

No entanto, as projeções mostram que a doença se comporta de maneira diferente em cada região do estado. As cidades com disseminação mais rápida tem sido Cuiabá e Rondonópolis.

Já em Cáceres e Barra do Garças, as últimas semanas de maio tiveram menor número de casos confirmados da doença em relação às outras. No estado, foram necessários 20 dias para alcançar os primeiros 100 casos e, para atingir 200, decorreram mais 12 dias e para 300 somente mais 7 dias.

 

Após atingir o pico, a projeção afirma que a curva epidemiológica irá começar a cair. No entanto, a desaceleração deve acontecer lentamente.

Ou seja, a disseminação do vírus permanece, mas o número de infectados se espalha ao longo do tempo até cessar o número casos. “As diferenças encontradas entre as regiões de saúde de Mato Grosso devem ser consideradas na definição de estratégias de enfrentamento da COVID-19 que incorporem as particularidades locais e regionais”, conclui o estudo.

CLICK AQUI E VEJA ÍNTEGRA DO ESTUDO




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

LIGUE E PARTICIPE

(66) 3566-2702

Visitas: 208094
Usuários Online: 13
Copyright (c) 2020 - Nazaré Fm 89,5 - Comunicando Vida e Fé